terça-feira, 10 de julho de 2007

Frankie Goes To Hollywood - " O futuro mais que passado... "

Na história do Rock existem dois tipos de artistas: os consagrados e os efémeros. Associamos aos primeiros longas e reconhecidas carreiras como por exemplo U2, Stones ou Bowie, entre outros. Já em relação aos segundos, é mais difícil encontramos projectos relevantes e influentes que se tenham mantido activos por um curto período de tempo. Mas também os há. Teremos de recuar quase 25 anos para encontrarmos, talvez, o melhor exemplo de como um projecto efémero abalou, social e musicalmente, a sociedade britânica. Estamos a falar dos Frankie Goes To Hollywood.
Oriundos de Liverpool em 1980, começaram por denominar-se Hollycaust, estranho nome ou nem por isso, não fosse o vocalista chamar-se Holly Johnson. A mudança para Frankie Goes To Hollywood deu-se quando a banda retirou o nome de um cartaz promocional de um show de Frank Sinatra. Holly Johnson era o carismático front-man, secundado por Paul Rutherford (vocalista e teclados), Peter Gill (bateria e percurssão), Mark O`Toole (baixo) e Brian Nash (guitarra).
O percurso de Relax no top britânico foi inicialmente modesto (35º lugar), tendo apenas alcançado o Top 10 depois da estreia da banda no programa Top Of The Pops em Janeiro de 84. Mas o melhor estava ainda para vir quando a BBC censurou a música, considerando-a obscena pelo conteúdo sexualmente sugestivo. Foi a melhor publicidade que Relax podia ter tido, suportada por uma eficaz campanha promocional dirigida pelo jornalista musical Paul Morley, responsável pelas célebres T-shirts onde se podia ler “ Frankie Says… “ e “ Relax “. A polémica estava instalada e a sorte grande tinha saído aos Frankie Goes To Hollywood, com o single de estreia a atingir o Nº1 do top britânico a 28 de Janeiro de 1984.
Mas nem só de marketing viveu Relax. Era realmente uma grande música com um produtor à altura, o famosíssimo Trevor Horn (dos The Buggles, de Vídeo killed the radio star). A sonoridade era inovadora devido a uma nova abordagem da electrónica. Os próprios Duran Duran ficaram de tal forma surpreendidos com a electrónica da música, que chamaram-lhe “ parede electrónica “, a fazer lembrar a “ wall of sound “ de Spector. A sensação de se estar perante algo de novo e ao mesmo tempo polémico e provocante fez dos Frankie Goes To Hollywood um novo ícone, não apenas musical como também sexual e alvo da admiração da comunidade gay. De praticamente desconhecidos passaram a estrelas à escala mundial em poucos meses, protagonizando em 84 a vanguarda e o futuro do rock.
Para além de Relax, mais outros dois singles conseguiriam o feito de chegar a Nº1, Two tribes e The power of love. De uma assentada o álbum Welcome to the pleasuredome, que também chegou ao primeiro lugar da tabela de vendas britânica, tinha 3 singles em Nº1, mais um 2º lugar do single homónimo.
Com a fasquia elevada ao máximo, o já difícil segundo álbum para qualquer banda, seria ainda mais difícil para os Frankie Goes To Hollywood. Em 86 é editado Liverpool e os resultados ficam aquém das expectativas. O fracasso só não foi maior porque o álbum alcança o 5º lugar do top britânico e coloca o single Rage hard em Nº4. Mas perante o furacão que foi Welcome to pleasuredome, Liverpool fica a saber a pouco. No início de 87 a banda dá início à tournée de promoção do segundo álbum, que termina poucos meses depois, colocando um ponto final no projecto. A audiência dos Frankie Goes To Hollywood parecia ter-se eclipsado e tanto Holly Johnson como Paul Rutherford seguiram carreiras a solo.
Quanto maior a subida, mais rápida a queda e foi precisamente isto que aconteceu ao grupo que um dia simbolizou o futuro do rock. Daí o título deste artigo “ O futuro mais que passado… “.
Muitas vezes catalogados como banda “ One Hit Wonder “, penso que os Frankie Goes To Hollywood, pelo impacto social e musical que tiveram, estiveram uns passos à frente dos seus concorrentes directos (diga-se projectos de curto prazo), para justificar ficarem excluídos daquele estigmatizante cliché. Para a história ficam os números: só o single Relax pode orgulhar-se de ter vendido quase 2 milhões de cópias (apenas em solo britânico), mantendo-se ainda hoje como uma das músicas mais populares de todos os tempos. Fiquem com o video...

6 comentários:

PF disse...

ESTES SENHORES DERAM-NOS HINOS GAYS E NÃO GAYS PARA TODOS ETERNOS!

THE POWER OF LOVE- BALLADA MARAVILHOSA SOBRE O PODER DO AMOR NOS SERES HUMANOS!

RELAX- HINO DISCO PRA FRENTEX!

E MUITO MAIS !

ESTES SENHORES SÃO MÚSICA E NÓS SEUS OUVINTES!

Sea disse...

agradeço a visita feita e o comentário deixado.
este teu espaço, faz-me lembrar os meus Nostalgic Music Day's das sextas-feiras.
vou passar por aqui, concerteza!

cj disse...

O que é que interessa se tinham membros gays ou se a música foi feita por músicos de estúdio (como por exemplo o Luis Jardim). O que interessa é a força dessa música. Curioso que para os americanos os FGTH são one-hit-wonders.

BV disse...

Caro CJ,
Em primeiro lugar, bem-vindo ao Eléctrico 80! Espero que seja presença habitual no meu blog!:)
Penso que tenha ficado claro que no post que fiz sobre os FGTH, não houve a mínima intenção de fazer qualquer juízo de valor sobre o perfil sexual da banda. Na minha opinião trata-se de um aspecto pouco importante, quando comparado com o aspecto mais importante que é a música! Como poderá reparar em artigos anteriores que já publiquei, o objectivo deste blog não é abordar comportamentos sexuais associados, ou não, à música...

Ricardo S disse...

Essa de serem gays nao sei, mas que o "The power of love" é, para mim, a melhor musica de sempre, disso nao tenho duvidas!
Abraço Bruno.

Anónimo disse...

Hi i am fresh on here, I hit upon this website I have found It quite accessible and its helped me a lot. I should be able to give something back and aid others like it has helped me.

Cheers, See You Later