quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Os REM nos Anos 80

Quase todos conhecemos a carreira dos REM desde Out of Time. Singles como Losing My Religion, Shiny Happy People, Near Wild Heaven ou Radio Song tornaram-se tão populares que praticamente só nos lembarmos da banda de Michael Stipe a partir do início dos Anos 90. O sucesso dos álbuns seguintes, em especial, Automatic for the People, reforçaria a ideia que os REM eram de facto uma banda dos Anos 90. Nada mais errado! Quando se tornaram estrelas à escala mundial levavam já na bagagem onze anos de carreira e seis álbuns editados. Os " poucos " que conheciam o percurso eighties destes veteranos podem ter sentido que a banda se vendera aos milhões da Warner, por outro lado, os novos fãs pouco conheciam do passado da banda. É certo que algo mudou desde que deixaram a independente IRS, mas os REM souberam adaptar-se e criar uma sonoridade mais eclética de forma a chegar a uma audiência mais vasta, sem nunca abdicarem no essencial da sonoridade que os caracterizou desde o início. Apesar do sucesso decrescente no últimos anos, o reconhecimento do valor e importância da banda nunca foram postos em causa, sendo ainda hoje considerada uma das mais importantes da história do rock. Recentemente passaram a fazer parte do " Rock and Roll Hall of Fame ", prova de que o culto ainda está vivo. A revista Rolling Stone atribuira-lhes já o título de " Melhor Banda Rock da América ". Vamos então recuar até ao início dos Anos 80 e ver por onde andavam...
Os REM formaram-se em 1980 na cidade de Athens, Geórgia, berço de outra popular banda americana, os The B-52`s. O quarteto era então composto por Bill Berry (bateria), Peter Buck (guitarra eléctrica), Mike Milss (guitarra-baixo) e Michael Stipe (voz). O percurso incial dos REM foi semelhante ao de muitas bandas de garagem: tocavam em pequenos clubes e liceus, sendo especialmente apreciados por estudantes. Editam o primeiro single Radio Free Europe um ano depois, que depressa se tornou num " smash hit " do circuito alternativo. Ao contrário de muitas bandas " indie ", os REM queriam ir mais longe sem perderem esse espírito. Deste modo a sua sonoridade procurava conciliar o moderno com as raízes da música tradicional americana, demarcando-se da violência do punk e do rock mais pesado, mais associados a um espírito " contra-corrente ". Os REM de certa forma também queriam sê-lo, embora adoptado uma linguagem mais pop.
Depois de Radio Free Europe, veio o EP Chronic Town. O primeiro álbum Murmur, já na independente IRS, é então editado em 1983 e incluia no alinhamento o single de estreia, bem como Perfect Circle e Talk About the Passion. Aclamado pela crítica, estava dado o mote para uma carreira discreta mas feita de passos seguros até 1987, ano de lançamento de Document. Pelo meio foram editados três álbuns, Reckoning (84), Fables of the Reconstruction (85) e Lifes Reach Pageant (86), sem beliscar os créditos colhidos no primeiro álbum. Temas como (Don`t Go Back to) Rockville, 7 Chinese Brothers, Pretty Pressuasion, Can`t Get There from Here ou Fall on Me eram de passagem obrigatória nas " rádios de escola ". Os REM podiam não ser conhecidos do grande público mas tinham muitos fãs no meio estudantil que garantiam audiência nos seus espectáculos, geralmente realizados em pequenas salas. Apesar da crítica favorável as vendas não deslumbravam e para uma sociedade conservadora como a norte-americana, o envolvimento de Michael Stipe em questões políticas e ambientais contrárias à administração republicana, um pouco à semelhança de Morrissey contra as instituições inglesas, dificultava a chegada ao palco maior. Rotulados de banda " contra-corrente " parecia que as luzes da ribalta estavam longe para os REM e o lançamento de Document em 1987 estava destinado a ser uma espécie de evolução na continuidade, puro engano. Deste álbum sairiam dois singles (The One I Love e It`s the End of the World...) que dariam à banda o impulso que tinha faltado nos álbuns anteriores. Já não eram apenas alternativos ou independentes como começavam a chegar já a um público mais vasto não só nos Estados Unidos como também na Europa. A popularidade crescente não passou despercebida à Warner e, um ano depois, assinam um contrato milionário com a multinacional. Estava dado o salto que permitiria à banda dispor dos recursos até então fora do seu alcance. Para muitos era o fim do espírito independente mas, ao mesmo tempo, um novo desafio e novas oportunidades. Ainda nesse ano é lançado Green, sexto álbum de originais que revela uns REM mais ecléticos. Apesar do sucesso dos singles Pop Song 89, Stand e Orange Crush, a crítica classifica o álbum de incoerente. Para tal muito terá contribuído Stand, orelhudo e delicioso para uns, descartável para outros.
A extrema regularidade com que editavam álbuns (de 83 a 88, um por ano) foi quebrada depois de Green. Pela primeira vez os REM estavam sem gravar mais de um ano e a espera durou até 1991, ano do lançamento de Out of Time. Mas a espera revelar-se-ia proveitosa...
A discografia relativa a este período está toda editada em CD, embora nem sempre se encontre disponível, mesmo em grandes superfícies como a Fnac. As alternativas são as pequenas lojas de importação ou encomendar através da Amazon. Mais fáceis de encontrar são os vários " Best of " em CD e DVD.

1º Álbum - Murmur - 1983

5º Álbum - Document - 1987
(último da IRS)

6º Álbum - Green - 1988
(primeiro da Warner)


The Best of REM - 1998

1. Carnival Of Sorts (1982)
2. Radio Free Europe (1983)
3. Perfect Circle (1983)
4. Talk About The Passion (1983)
5. So Central Rain (1984)
6. Don't Go Back To Rockville (1984)
7. Pretty Persuasion (1984)
8. Green Grow The Rushes (1985)
9. Can't Get There From Here (1985)
10. Driver 8 (1985)
11. Fall On Me (1986)
12. I Believe (1986)
13. Cuyahoga (1986)
14. The One I Love (1987)
15. Finest Worksong (1987)
16. It's The End Of The World As We Know It (1987)

The One I Love, um dos grandes êxitos dos REM da década de 80

4 comentários:

André Faria disse...

Perfect Circle e Talk about the passion, 2 músicas obrigatórias da banda...

Perdi-lhes o rasto com o álbum Green. Já bastante fraco, se comparado com os anteriores, embora tivesse uma grande música: World Leader Pretend...

BV disse...

Caro André,
Apesar de apreciar bastante a carreira dos REM durante os Anos 80, não posso dizer que não goste do que fizeram na década de 90! Mais mainstream é certo mas também com bons momentos. Penso é que nos 80s a banda fez um trabalho mais consistente e regular enquanto que nos 90s houve mais altos e baixos.
1 abraço...

Ricardo S disse...

Sempre gostei dos REM, sobretudo a partir do "Losing my religion".
É, simplesmente, uma daquelas músicas de que não me canso de ouvir...

BV disse...

Caro Ricardo,
Recomendo que não se fique apenas pelos REM Anos 90 e descubra também a década de 80 desta banda, menos mediática é certo, mas em nada inferior. Diria mesmo superior...