domingo, 28 de janeiro de 2007

1 de Agosto de 1981: " O 1º dia da MTV "

A ideia de uma canal dedicado à música não era nova quando surgiu a MTV. De facto, pode considerar-se o " Sight of Sound " como a génese daquele canal musical, quando em 1977 a Warner Communications e a American Express, através da joint-venture Warner Amex Cable criaram o primeiro sistema de TV por cabo interactivo (QUBE). Do pacote de canais comercializados encontrava-se o " Sight of Sound ", que permitia aos telespectadores votarem nas canções e artistas preferidos. O sucesso foi tal que a Warner Cable Amex Cable decidiu abrir o canal a outros operadores de cabo a nível nacional, com nome e formato novos (Videoclip). Nascia então a MTV - Music Television.

Video killed the radio star... os " The Buggles " foram os primeiros

A MTV é muito mais do que um canal de música. Desde o seu aparecimento no início dos anos 80 que cedo se afirmou como um canal que iria revolucionar a forma de comunicar em televisão, criando um novo espaço para a divulgação do, até então, menosprezado videoclip. Som e imagem eram agora um só.
Mas de sucesso comercial a fenómeno cultural vai um grande passo e a MTV teve o mérito de alcançá-lo, e porquê?
A emissão, quase ininterrupta, de música com destaque para os videoclips fez surgir um novo mercado anteriormente dominado pela rádio. Se até aqui bastava uma música passar na rádio para ser conhecida, a partir desta altura ela teria de ser vista na televisão. Mais importante do que ser-se ouvido era ser-se visto. O videoclip passa a ser encarado como um importante meio promocional, sendo explorado profissional e comercialmente por uma nova geração de músicos cujas carreiras foram construídas para e à custa da MTV.
Na primeira metade da década de 80 uma banda interiorizou este espírito mais do que todas as outras: os Duran Duran, enquanto na segunda podemos destacar os noruegueses A-ha. Pelo meio temos nomes como Michael Jackson ou Madonna, igualmente perspicazes na abordagem ao videoclip.
Durante cerca de vinte anos, foram estas as regras da promoção musical até ao aparecimento da Internet. A livre partilha de música e vídeos tem vindo aos poucos a pôr em causa este conceito. A televisão olha agora com desconfiança para uma Internet mais informal e adaptável à mudança.
Mas em 1981 era a MTV quem protagonizava a mudança: o cenceito era novo, o “ look “ apelativo a até os apresentadores denominavam-se VJs (ou seja, DJs de vídeos). A adesão dos jovens norte-americanos e, quatro anos mais tarde, dos europeus, a um canal que falava a sua linguagem foi imediata, o apelo era irresistível. Cada vez mais jovens em todo o mundo tinham acesso às emissões da MTV.


Os " Dire Straits " na 1ª emissão da MTV Europe em 85, com Money for nothing


“ O estilo prevalece sobre o conteúdo e a técnica sobre o argumento “ (MTV Look)

O “ MTV Look “ era de facto uma imagem de marca. Especialista na promoção da imagem de outros, a MTV sabia muito bem como promover a sua própria imagem. Este conceito era de tal forma popular que houve quem o soubesse aproveitar da melhor maneira e aplicá-lo fora do universo da música. O resultado foi “ Miami Vice “ (série de TV) e o autor da proeza Michael Mann, o mesmo de Collateral, The Aviator e Miami Vice (filme). Esta popular série policial protagonizada por Don Johnson e Philip Michael Thomas (transmitida entre 84 e 90), tornou-se a coqueluche das séries de TV.

“ Miami Vice has been described as the first cop show for the MTV generation. Brilliantly capturing the mood, the style, the rhythm, the pulsations, the bright electric colors, and the garish glitz of the early '80s, the weekly, 60-minute series was just a much an elongated music video (with a Jan Hammer score) as it was a crime drama -- and it set the standard for the scores of copycat series that followed in its wake. “ (allmovieguide)

7 comentários:

tremoço radioactivo disse...

MTV = Uma ideia brilhante mas que comportava logo de início um efeito pernicioso: a destruição da própria música. A MTV de hoje e de há muitos anos não faz rigorosamente nada em prol da música.

BV disse...

Todas as opiniões são discutíveis. Para os que defendem que o mais importante é a essência da canção (som e letra) a tendência é para acharem que o videoclip é demasiado valorizado e isso, de facto, é da inteira responsabilidade da MTV. Na minha opinião o videoclip é tão importante quanto a música porque entendo tratar-se de uma extensão artística desta. Som e imagem são complementares e o próprio conceito de multimédia é isto mesmo (som+imagem). Da mesma forma que o cinema ficou mais rico com o som, a música valorizou-se muito com a imagem. O videoclip de uma música pode, por vezes, determinar o meu gosto pela mesma. Quanto à MTV não fazer muito pela música, não estou totalmente de acordo na medida em que o panorama seria bem mais negro se ela não existisse, assim como todos os canais musicais que surgiram depois. Não posso ser saudosista e querer que MTV passe a música de à 20 ou 25 anos atrás. Para isso temos o VH-1, que até pertence à MTV! A esta cabe promover a música dos artistas da actualidade.

Tremoço Radioactivo disse...

LOL

O videoclip pode, e repito, PODE ser uma extensão extremamente válida para a música ou canção em si, mas regra geral não o é, ou, pelo menos, há muito que o deixou de ser.
Seja como for, o videoclip não pode nunca ser tão importante como a música. Acho que no entanto é isso que acontece pois nos dias que correm a ´música" que temos é vendida não pela qualidade, mas sim pelo aspecto visual dos meninos ou meninas que a 'fazem', e por isso o videoclip é importante. Como você disse: o videoclip pode influenciar o meu gosto pela música. Ora, a meu ver, mas talvez seja da idade, gostar ou não gostar VISUALMENTE de uma canção é algo estranho.

A comparação com o cinema é demasiado grande, uma vez que o som veio acrescentar de facto alguma coisa á actividade de contar uma história.Foi essencial. O videoclip não acrescenta nada de relevante à música, acrescenta sim algo de acessório e secundário.

Quanto à sua opinião sobre a MTV....enfim, eu começei a ver a MTV em princípios dos anos 90 e, até mais ou menos 1995 foi uma estação musical decente: tinha coisas más coisas boas e coisas mais ou menos. Cada um escolhia o que queria ver e ouvir.

AGORA? Temos uma estação FORMATADA para uma única geração: a dos debilóides mentais com boné ao contrário e calças ao fundo do rabo. O "M" daquele logotipo deixou de fazer sentido.

Ninguém quer que a MTV "passe a música de há 20 ou 25 anos atrás". O que eu gostava era que ela tivesse a mesma atitude abrangente que tinha há 20 ou 25 anos atrás.

Acha realmente que a MTV actualmente faz um bom serviço de promoção dos artistas actuais? Enfim....opiniões.

BV disse...

Em primeiro lugar não me apresento como um defensor da MTV nem da geração actual... cada geração tem de se defender por si! Em segundo lugar discordo com a ridicularização da estética e comportamentos de determinada geração, mesmo que não me identifique com ela. São rótulos generalistas que se atribuem: " boné ao contrário e calças ao fundo do rabo " não significam só por si " debilóide ". Quando a malta de 15 anos se vestia à Madonna ou Boy George nos anos 80 ou dançava break-dance ao som de um tijolo, certamente ouviram coisas bem piores. O Hip-Hop não nasceu hoje mas sim em 83!
Quanto à abrangência da MTV não ser a mesma de há 20 anos atrás convém ter em conta o seguinte: O panorama musical desse tempo permitia que assim o fosse. Quer gostemos ou não música evoluiu e nos dias de hoje dentro de cada género musical temos muitos mais estilos do que à 20 anos. Hoje a abrangência faz-se com canais temáticos: MTV (Tops), MTV2 (Alternativa), MTV Base (RnB), VH1 (para uma faixa etária acima dos 30) enquanto que nesse tempo 1 canal bastava. Não acho que as MTV locais de hoje (como a MTV Portugal) não façam nada pelos artistas, sobretudo os nacionais. Posso discordar de algumas opções dos " manda-chuva" da TV e Rádio, bem como da cultura musical de quem aparece a falar de música, mas até não se fazer nada pela música (principlamente a MTV), vai uma grande distância.
Apesar de saudosista e de gostar da música dos 80s mais do que qualquer outra, felizmente não parei no tempo e procuro estar atento hoje ao fenómeno musical com o mesmo interesse de há 20 anos atrás, sempre com uma postura " open-mind ".
Quanto ao videoclip, não disse que era mais importante que a música, quanto muito tão importante! E que em alguns casos podia fazer com que olhasse para uma determinada música de outra forma e até gostar mais dela.
No que respeita ao aspecto visual, não é de hoje que uma boa imagem pode esconder uma péssima canção. Que eu saiba desde que apareceram os primeiros videoclips que é assim...

Tremoço Radioactivo disse...

Então, em primeira resposta, nunca lhe atribui a condição de defensor do que quer que seja, apenas contrapus a minha ideia à sua. Apenas explanei a minha opinião, tal como você expôs a sua.
Em segundo lugar, e em boa verdade, não pretendia ridicularizar a “estética e comportamntos de determinada geração”. Apenas pretendi afirmar ou constatar um facto, que pecará talvez pela generalização, mas que não deixa de ser verdade na minha opinião. Quanto ao que a malta de 15 anos que se vestia à Madonna etc, se ouvia coisas piores ou não, também não sei, e também não é isso que estamos a discutir. Estávamos a falar sim do que então merecia a atenção da MTV (sendo que a Madonna e o Boy George integravam esse grupo penso eu), e mantenho que o que merecia a atenção da MTV até meados dos anos 90 era extraordinariamente mais interessante do que o que merece hoje.
O Hip Hop nasceu em 1983? Não terá sido antes o rap com os Sugar Hill Gang? Confesso que não aprecio muito este estilo musical e, como tal, não sou conhecedor, mas penso que o hip-hop é diferente do rap, sendo este mais antigo q o hip hop.

É claro e óbvio que o panorama musical evoluiu, mal de nós se assim não o fosse, mas o que eu pretendi dizer é que o ESTILO actualmente privilegiado pela MTV é muito mais fechado, repetitivo, comercial e pouco informativo, do que aquele que era seu apanágio nos anos transactos. A MTV de hoje é um canal de televisão estilizado, que se pretende cool e superior e sobretudo jovem e radical. Não me quererá certamente dizer que não reparou na profusão irritante de reality shows que agora têm lugar na MTV? Tendência aliás inaugurada nos anos 90 com o “Real Wold”. Mas era um exemplo, enquanto que agora temos um sem número de programas desinteressantes e que NADA têm a ver com música.

Quanto à MTV local não teci qq tipo de comentário. Se ajudam ou não os artistas locais, não sei, mas penso que sim, que ajudam. Aqueles que têm uma imagem e som certo. Mas qto a isso nada tenho a dizer. E as rádios.....enfim, isso dava pano para mangas e não vale a pena alargarmos a conversa tanto assim.

"Postura open mind" é importantíssima! Concordo plenamente com essa postura! Eu próprio procuro fazer o mesmo. Como você mesmo disse, a música evolui muito nestes anos e presentemente há toda uma série de estilos e gostos para todos. Infelizmente a MTV actual escolheu privilegiar um ou outro apenas em detrimento de outros. Sim, o fenómeno musical de hoje é tão ou MAIS interessante do que aquele de há 20 anos atrás. Felizmente já há outras opções para além da MTV para o conhecermos, pq se dependêssemos da MTV teríamos uma visão muito reduzida.
É que a questão não é a música em si, não é isso que se discutia aqui. Discutia-se sim a relevância da MTV actualmente, e na minha opinião, presentemente, essa relevância é muito diminuta para quem tem outros interesses musicais PARA ALÉM dos Justin Timberlakes, Beyoncés, Black Eye Peas, Britney Spears, Shakiras, 50Cent, etc etc etc.
A postura open mind é essencial para que não nos fechemos em nós próprios. Há que estar aberto aos estímulos exteriores, e aí sim, formar uma opinião. E eu formei a minha.

Por fim, já explanei tb a minha opinião qto aos videoclips. São meramente acessórios. Alguns trazem de facto algo de relevante e acrescentam alguma coisa, outros não. E, a meu ver, uma canção tem a obrigação de se sustentar a si mesma sem qq suporte visual. Se o não conseguir, é pq não é grande coisa.

De facto, para terminar, é como diz: uma boa imagem esconde realmente péssimas canções. Sempre foi assim, mas agora é-o com maior premência.

BV disse...

Caro amigo,

Sem querer estar a pôr um termo no assunto, é evidente que por muito que andemos às cabeçadas sobre este tema nunca chegaremos a um consenso. O que não é mau porque a diversidade de ideias e opiniões só enriquece o conhecimento. Certamente que partilharemos de alguns pontos de vista comuns e convido, desde já, o meu alustre amigo a participar no meu blog dando a sua opinião sempre que entender.
Relativamente ao Hip Hop, o meu amigo certamente não estaria a pensar que este estilo musical tal qual o conhecemos hoje fosse o mesmo que surgiu no início dos 80s. De facto, considera-se 1983 como o ano do nascimento do Hip Hop.
O Hip Hop é o principal estilo musical da família do Rap. Como o meu amigo referiu foram os " Sugarhill Gang " os percursores do Rap em finais dos anos 70! Mas o Hip Hop propriamente dito só surgiria cerca de 4 anos mais tarde com " Afrika Bambaataa ", " Kurtis Blow ", " Whodini " e " Grandmaster Flash ".

Tremoço Radioactivo disse...

Curvo-me perante a sua sabedoria. De facto, é como diz, as nossas perspectivas são diferentes, bem como as nossas opiniões. Ambos já as afirmámos, e agora cabe a cada um de nós retirar o que for útil para a nossa sabedoria pessoal. Pessoalmente não sabia dessas informações que mencionou na parte final do seu comentário, pelo que agradeço. Certamente tentarei voltar cá mais vezes.